Economistas finlandeses explicam por que não adianta querer regulamentar o Bitcoin

Por Assessoria de Imprensa

Por inovação econômica e descentralização, moeda virtual é uma luz no fim do túnel

 

Num relatório de pesquisa batizado de “Monopólio sem monopolista: uma análise econômica do sistema de pagamento do bitcoin”, o Banco Central da Finlândia se posicionou sobre o Bitcoin e sobre seu otimismo em relação à emergência de um sistema financeiro descentralizado. A publicação, escrita pelos pesquisadores Gur Huberman, Jacob Leshno e Ciamac Moallemi, aprofunda as complexidades técnicas, a estrutura algorítmica e matemática da bitcoin. O documento também avalia a capacidade do bitcoin de criar sua própria economia e sistema de liquidação de pagamentos que sejam seguros e eficientes entre usuários. Veja a seguir as razões por que os economistas defendem que não vale a pena querer regulamentar o Bitcoin.

 

O bitcoin promove inovação econômica

Os economistas do Banco Central da Finlândia afirmaram que o Bitcoin é realmente um sistema monetário revolucionário. Os três também apontaram o grande poder por trás da criptomoeda para prevenir ameaças de manipulação ou práticas maliciosas. Isso se deve às características fundamentais por trás da tecnologia blockchain, que proporciona um livro de registros público para que todos os usuários possam ver, descentralizando o software. Os economistas explicam, da maneira como colocado por Satoshi Nakamoto em seu estudo inicial, como o Bitcoin funciona “sem uma organização governante”. Ao contrário, há um protocolo único que usuários e mineradores respeitam, e por causa disso “o blockchain está promovendo uma inovação econômica”.

 

Sistema descentralizado dispensa regulação

Uma das grandes razões pela qual monopólios devem ser regulados é porque as autoridades devem “prevenir ou mitigar o abuso de poder”. A centralização do dinheiro em boa parte dos bancos e empresas de investimento no mundo já foi amplamente sinalizada como um grande problema. A crise financeira de 2008 é um ótimo exemplo disso – curiosamente, o mesmo ano que Nakamoto divulgou seu estudo apresentando o Bitcoin. Contudo, devido à inabilidade de ser monopolizado, Huberman, Leshno e Maollemi também concordam que o Bitcoin não precisa ser regulado. Não há necessidade porque é um sistema comprometido a um protocolo e as taxas cobradas dos usuários são determinadas por eles mesmos independente de qualquer esforço de mineradores. O relatório conclui, ainda, que o sistema econômico pelo qual o Bitcoin estabelece o modelo é “revolucionário” e que a rede de cadeias de blocos garante um estudo mais aprofundado dos economistas por causa da sua “utilidade” e “funcionalidade”.

 

O Bitcoin é a luz no fim do túnel para mudar a forma de fazer negócios

A divulgação do relatório acontece num momento em que puristas estão pedindo em voz alta para que tudo isso seja paralisado. Com a queda no valor do bitcoin nas últimas semanas, o Banco da Finlândia pode ter proporcionado uma luz no fim do túnel para os entusiastas. Embora a China tenha anunciado uma reticência em abraçar a moeda (por enquanto), muitos países estão buscando seus próprios objetivos. Vietnã, Austrália, Canadá e uma porção de outros países querem a inovação econômica.  Fica claro que há um interesse constante em mudar a forma como o mundo faz negócios.

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *